Coletividades de S. Sebastião desfilam por um lugar no pódio

Quatro coletividades da freguesia desfilam, entre amanhã e sábado, na Praça de Touros Carlos Relvas, para, mais uma vez, tentar alcançar a vitória no concurso de Marchas Populares de Setúbal.

Após a apresentação na avenida Luísa Todi, na noite de 9 de junho, que deixou altas expectativas na população, dada a qualidade das exibições, chega agora o momento de dar o “tudo por tudo” para ganhar o máximo de prémios e alcançar um lugar no pódio do concurso.

Entre as sete marchas em competição, quatro pertencem à freguesia de S. Sebastião: Núcleo dos Amigos do Bairro Santos Nicolau, Grupo Desportivo Independente, Grupo Desportivo Setubalense “Os 13” e Núcleo Bicross de Setúbal.

Além das marchas a concurso, desfilam também cinco extraconcurso: APPACDM de Setúbal, com “Vamos celebrar a Natureza”, e as marchas infantis da União Desportiva e Recreativa das Pontes, sob o tema “As Maravilhas da Terra e do Mar ‘Bichinho do Rio e do Mar”; da Sociedade Filarmónica Perpétua Azeitonense, com tema inspirado em “Flores da Serra”, do Grupo Desportivo Independente, que apresenta a “Rainha Sardinha, Rei Carapau”, e do Núcleo Bicross de Setúbal, com “Ora vejam lá… as crianças no arraial popular”.

Amanhã, pelas 22 horas, entram na Praça de Touros as marchas do Núcleo dos Amigos do Bairro Santos Nicolau (NABSN), da Cooperativa de Habitação e Construção Económica “Bem-Vinda a Liberdade” e da União Desportiva e Recreativa das Pontes, precedidas das marchas da APPACDM e das infantis do Grupo Desportivo Independente e do Núcleo Bicross de Setúbal.

No dia seguinte, à mesma hora, além das marchas infantis da Sociedade Filarmónica Perpétua Azeitonense e da União Desportiva e Recreativa das Pontes, desfilam a Sociedade Filarmónica Perpétua Azeitonense, o Grupo Desportivo Independente (GDI), o Núcleo de Bicross de Setúbal (NBS) e o Grupo Desportivo Setubalense “Os 13”.

“Venham aqui comprar e no Bairro Santos marchar” é o tema da marcha do NABSN que presta um tributo às antigas mercearias do bairro, cujo interior representam nos seus arcos, onde figuram balanças e pesos antigos, assim como vários produtos comercializados como grãos de café, azeite, sardinhas enlatadas, rebuçados, entre outros. Os 41 marchantes representam os merceeiros e as freguesas, geralmente donas de casa, destes estabelecimentos. O ensaiador João Praia é o responsável pela coreografia e cenografia desta marcha que tem como madrinha a fadista Inês Pereira.

A marcha do GDI, sob o tema “Rufam tambores e siga a marcha” retrata o ambiente que se vive nas coletividades durante o processo de preparação das marchas populares, entre namoricos e cumplicidades, picardias e rivalidades entre bairros, no final o mais importante é a união entre todos os participantes e o orgulho e alegria com que representam os seus respetivos bairros. Os arcos são constituídos por pétalas, ornamentados por bolas e corações. Os figurinos masculino e feminino apresentam o vermelho, verde e amarelo como cores predominantes, fazendo lembrar a bandeira de Portugal. Joana Lança é a madrinha desta marcha, cujo ensaiador, coreógrafo, figurinista e cenógrafo é Bruno Frazão.

Já “Os 13”, têm como madrinha a artista Susana Martins e Fábio Carmelo como ensaiador, coreógrafo e cenógrafo. “Fama de Marinheiro dá namoro em noite de tradição” é o tem escolhido por esta coletividade que simula o encontro entre marinheiros e jovens raparigas da cidade. Os enormes arcos são compostos pela proa de uma caravela, ladeada por cavalos marinhos e na parte de trás figura a roda de um leme. Nos figurinos dos 44 marchantes, onde estão representados nós de marinheiro, as velas das caravelas e as ondas do mar, predominam o branco, o rosa, o verde, o azul e o dourado.

O NBS, marcha vencedora de 2017, foi a última marcha a desfilar na avenida, mas nem por isso foi menos aplaudida. Sob o tema “Vem deste rio a riqueza que ostentamos”, esta marcha representa os pescadores e as varinas que dedicam a sua fé a Nossa Senhora do Rosário de Troia. Esta temática das festas religiosas de Nª Srª do Rosário de Troia, que anualmente unem as duas margens do rio Sado, representa a vontade de envolver os jovens nas tradições do concelho. Os arcos exibem as traineiras engalanadas e os remos, que representam o trabalho dos pescadores, assim como os muros do cais das Fontaínhas, zona de poiso habitual das gaivotas. Os figurinos mostram as vestes dos pescadores e das varinas, em versão rica e pobre. Mafalda Batista é a madrinha desta marcha, ensaiada e coreografada por Rui Conceição que é também responsável pelo figurino e cenografia.

Independentemente da classificação, que será conhecida a 24 de junho, o executivo da Junta de Freguesia de S. Sebastião mostra-se orgulhoso com o trabalho realizado pelo movimento associativo e popular e deseja boa sorte a todos os participantes, de todas as coletividades do concelho, com a certeza de que esta freguesia está, mais uma vez, muito bem representada nesta competição.