Tarde de fados enaltece obra de José Raposo

Um grande elenco composto por treze fadistas da cidade de Setúbal, acompanhado por dois virtuosos músicos da nossa praça, interpretou quase três dezenas de poemas originais de José Raposo, poeta sadino que foi homenageado no passado dia 14 de novembro, no Auditório Bocage, numa tarde de fados idealizada pelo autor e organizada em parceria com a Junta de Freguesia de S. Sebastião.

Os fadistas Ramiro Costa, Maria Caetano, Acácio Nunes, Inês Pereira, Eugénio Almeida, Bia Ferreirinha, Carlos Zacarias, Joana Lança, Victor Dores, Carla Lança, Valter Palma, Susana Martins e Nuno Rocha pisaram o palco do Auditório Bocage no passado dia 14 de novembro, para dar voz à obra poética de José Raposo, ao som da guitarra portuguesa de Custódio Magalhães e da viola de fado de Vítor Pereira.

Como anfitrião, o presidente da Junta de Freguesia de S. Sebastião (JFSS) deu as boas-vindas a todos ao Auditório Bocage, “uma obra concretizada no mandato anterior, da qual nos orgulhamos muito e que serve a cultura e a democracia”, afirmou Nuno Costa, mostrando-se satisfeito e emocionado por “acolher este tipo de espetáculos, sobretudo porque estivemos muito tempo privados de atividades culturais”.

Aproveitando a realização daquele espetáculo ímpar, o autarca prestou, em nome do executivo da JFSS, uma singela homenagem a José Raposo. “Queremos homenagear a pessoa que tem contribuído para a nossa cultura ao longo destes anos todos, fazendo poemas e oferecendo-os aos nossos artistas. Obrigado pela sua forma de estar e pelo seu contributo”, expressou Nuno Costa, entregando ao poeta uma placa com a inscrição: “A Junta de Freguesia de S. Sebastião presta tributo ao poeta José Raposo, que de forma humilde e altruísta tem oferecido aos setubalenses a sua notável obra popular, enriquecendo a nossa cultura e o repertório fadista”.

Visivelmente comovido, o homenageado, que mereceu uma calorosa e espontânea salva de palmas de pé de todos os presentes, revelou que “julgava que precisava fazer mais coisas para merecer uma homenagem destas!”. José Raposo confessou ainda que tudo o que teria para dizer seria cantado pelos seus treze amigos fadistas. “São pedaços de mim que eles vão cantar”, explicou, mostrando-se grato pela presença de todos e concluindo ser “um privilegiado por ter quem cante os meus poemas”.

O evento, de entrada gratuita, brindou o público com uma coletânea de 27 temas originais, incluindo mais de uma dezena de poemas inéditos de José Alberto Raposo, poeta sadino de 74 anos de idade, que despertou a sua veia poética aos 50.

Autor publicado em diversas antologias, José Raposo participa regularmente em tertúlias de poesia, concursos de poesia e já foi distinguido com vários prémios. Os seus versáteis versos integram hinos, marchas e outras canções. Tem um projeto musical intitulado “Afetos e Cumplicidades”, nome do seu livro, lançado em maio de 2006. Em outubro de 2017 apresentou o projeto “Emoções à Solta” e foi convidado a participar na iniciativa “Um Fado por Setúbal”, contribuindo com alguns dos seus poemas. No próximo dia 20 de novembro apresenta, na Biblioteca Municipal de Setúbal o seu novo livro “Pedaços de Mim”.